top of page
  • Markus Lothar Fourier

Motivação no Esporte - Como Estimular a Motivação Intrínseca nos Atletas?

Conforme escrevi no post anterior, "Motivação no Esporte - Como a Motivação Impacta o Desempenho e Bem-Estar dos Atletas: Insights da Teoria da Autodeterminação", a motivação intrínseca prediz com maior precisão a qualidade do desempenho e dos resultados esportivos dos atletas¹²³. Mas então, como estimular essa motivação específica? Para responder a essa pergunta, vamos ver o que as pesquisas sugerem.


Antes, no entanto, vale esclarecer um detalhe sobre a motivação intrínseca. Segundo a teoria de Deci e Ryan, essa motivação depende do atleta sentir ou perceber que três necessidades estão sendo satisfeitas: competência, autonomia e pertencimento. Para entender melhor o que são essas necessidades na prática, segue um breve resumo:


Competência

A sensação de competência refere-se à necessidade psicológica de se sentir capaz e eficaz ao realizar tarefas, desenvolvendo habilidades e alcançando objetivos com sucesso⁴.


Autonomia

A necessidade de autonomia é atendida quando temos a sensação de ter controle e escolha sobre nossas ações e decisões, podendo agir de acordo com nossos próprios valores e interesses⁴.


Relacionamento

O sentimento de relacionamento surge quando o atleta se sente conectado e em sintonia com outras pessoas, tendo a percepção de ser aceito, apoiado e parte de um grupo ou comunidade⁴.


Estamos então dizendo que a motivação intrínseca é mediada pela percepção do atleta. Isso é importante para entender porque significa que não adiantará dizer ao atleta que ele é competente, por exemplo, se ele não se percebe assim. Para influenciar a motivação de um atleta, é necessário que ele sinta que é competente, possui autonomia e pertence ao ambiente.


O que Influencia os Sentimentos de Competência, Autonomia e Relacionamento?

A satisfação dessas necessidades psicológicas depende de dois grandes fatores: (1) a personalidade do indivíduo e (2) o ambiente em que ele se encontra.

Atletas com maior pontuação em traços de extroversão e menor pontuação em neuroticismo tendem a se perceber mais competentes, autônomos e integrados em seus ambientes de treinamento e competições⁵.


Como o Ambiente Pode Influenciar a Motivação?

Aqui estão os principais insights, baseados em pesquisas, sobre como o ambiente pode influenciar a motivação intrínseca dos atletas:


Feedback de Treinadores e Líderes de Equipe

O feedback focado nas melhorias, e não nas falhas ou pontos a serem melhorados, por parte dos treinadores, é uma das melhores formas de aumentar a satisfação de competência e o desempenho dos atletas. A combinação do feedback do treinador com o do líder de equipe tem um efeito adicional positivo no desempenho⁶.


Comportamentos que Estimulam a Autonomia

Comportamentos como oferecer escolhas aos atletas, incentivar a iniciativa, fornecer razões para as tarefas, reconhecer a perspectiva do atleta, evitar controle excessivo, oferecer feedback informativo, encorajar a exploração pessoal, fomentar a autorreflexão e construir um ambiente de apoio são estratégias eficazes para satisfazer a necessidade de autonomia dos atletas⁷.


Foco na Tarefa e Processo versus Foco no Resultado e Comparações

Um clima focado na tarefa (desenvolvimento e esforço) está positivamente associado à satisfação das necessidades de autonomia, competência e relacionamento, promovendo a motivação intrínseca. Já um clima de ego (focado na competição e comparação) está associado à competência, mas pode ter efeitos mistos na motivação⁸.


Nessa revisão da literatura que fiz, não encontrei artigos descrevendo os efeitos do estímulo ao pertencimento, assim como também não encontrei descrições de como isso vem sendo trabalhado hoje. Por isso, aqui vou escrever apenas com base na minha experiência e percepção. O que vejo é que estabelecer rituais que favoreçam a troca e a conversa entre pares e com treinadores e demais pessoas da comissão técnica cria um ambiente mais acolhedor, onde até mesmo as cobranças por esforço ou resultado são melhor recebidas, pois quem é cobrado sente que a cobrança vem de alguém preocupado e que deseja seu sucesso.


Mesmo que a personalidade do atleta tenha um papel importante na sua capacidade de se motivar, o ambiente e a atuação dos treinadores, líderes de equipe e colegas são cruciais para promover essa energia interna. É nesta última dimensão que treinadores e demais profissionais podem atuar mais facilmente e onde os resultados podem ocorrer mais rapidamente.



 

Referências


1 - Cerasoli, C., Nicklin, J., & Ford, M. (2014). Intrinsic motivation and extrinsic incentives jointly predict performance: a 40-year meta-analysis.. Psychological bulletin, 140 4, 980-1008 . https://doi.org/10.1037/a0035661.


2 - Fransen, K., Boen, F., Vansteenkiste, M., Mertens, N., & Broek, G. (2018). The power of competence support: The impact of coaches and athlete leaders on intrinsic motivation and performance. Scandinavian Journal of Medicine & Science in Sports, 28, 725 - 745. https://doi.org/10.1111/sms.12950.


3 - Jowett, S. (2008). What makes coaches tick? The impact of coaches' intrinsic and extrinsic motives on their own satisfaction and that of their athletes. Scandinavian Journal of Medicine & Science in Sports, 18. https://doi.org/10.1111/j.1600-0838.2007.00705.x.



5 - Iglesias-Martínez, E., Roces-García, J., & Méndez-Alonso, D. (2021). Predictive Strength of Contextual and Personal Variables in Soccer Players’ Goal Orientations. International Journal of Environmental Research and Public Health, 18. https://doi.org/10.3390/ijerph18179401.


6 - Fransen, K., Boen, F., Vansteenkiste, M., Mertens, N., & Broek, G. (2018). The power of competence support: The impact of coaches and athlete leaders on intrinsic motivation and performance. Scandinavian Journal of Medicine & Science in Sports, 28, 725 - 745. https://doi.org/10.1111/sms.12950.


7 - Mageau, G., & Vallerand, R. (2003). The coach–athlete relationship: a motivational model. Journal of Sports Sciences, 21, 883 - 904. https://doi.org/10.1080/0264041031000140374.


8 - Sheehan, R., Herring, M., & Campbell, M. (2018). Associations Between Motivation and Mental Health in Sport: A Test of the Hierarchical Model of Intrinsic and Extrinsic Motivation. Frontiers in Psychology, 9. https://doi.org/10.3389/fpsyg.2018.00707.

Posts recentes

Ver tudo

Bem-Vindo À Mente do Atleta

Dentro das 4 valências principais para todo bom desempenho esportivo - Técnico, Tático, Físico e Mental - este último é, sem sombra de dúvidas, o menos desenvolvido na formação dos atletas brasileiros

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page